Gestão de pneus: Por que é tão importante?

May 3, 2018

Todo gestor de frotas deseja ter um maior controle sobre a sua equipe e veículos para reduzir os custos operacionais. Os maiores custos em uma frota são representados por combustível, manutenção e pneus. De acordo com estudo apresentado pela Associação Brasileira de Engenharia de Produção (Abepro),  cerca de 18,68% do custo operacional da frota está relacionado aos pneus, portanto, é fundamental para o gestor o controle deste item.

A boa gestão pode contribuir para um aumento de 20% a 25% da vida útil dos pneus, de acordo com a Sofit, além de, analisar quais os melhores modelos e fabricantes. Por fim, isto contribui para uma gestão sustentável da empresa, na medida em que contribui para uma menor geração de resíduos pela redução no descarte de pneus. Neste post abordaremos alguns cuidados que o gestor de frotas deve ter para garantir um bom controle sobre os pneus da sua frota.

CALIBRAGEM

 

Antes de iniciar uma rota é fundamental para o motorista verificar se a calibração dos pneus está adequada, conforme recomendação do fabricante. Pneus fora da pressão adequada para viagem tem o seu desgaste acelerado devido a um maior atrito com a estrada. Isso resulta em um aumento do gasto de combustível e menor segurança na pista. De acordo com a Locamerica, pneus descalibrados consomem até 25% a mais de combustível.   

Além disso, é importante também verificar a data de validade dos pneus. Um pneu tradicionalmente possui 5 anos de validade. Após esse período o risco de acidente devido ao rompimento é muito alto.

É importante ressaltar que o limite de carga de todos os veículos deve ser respeitado.

RODÍZIO

 

Uma forma muito comum de ampliar a vida útil dos pneus é através do rodízio. De acordo com a revista Quatro Rodas essa estratégia pode ampliar em até 20% a durabilidade do conjunto. Geralmente os pneus ligado ao eixo de tração sofrem um desgaste superior aos demais, o rodízio permite com que esse desgaste seja uniformizado e distribuído entre todos os pneus, oferecendo também maior segurança.

Aconselha-se que esse rodízio seja feita a cada 10.000 km.

 

Fonte: Revista Quatro Rodas.

ALINHAMENTO E BALANCEAMENTO

 

Assim como a calibragem, o alinhamento e o balanceamento do veículo são aspectos que não devem ser esquecidos. Esses serviços devem ser feitos a cada 10.000 km ou quando o veículo sofre algum impacto forte devido, por exemplo, a um buraco na estrada.

A falta de alinhamento e balanceamento provocam um maior atrito do pneu com o solo e alteram o ponto de contato, fazendo com que o desgaste do pneu seja concentrado em uma região, provocando um desgaste acentuado.

 

 

SELEÇÃO DE VIAS

 

A seleção das vias durante a roteirização das entregas ou visitas a serem realizadas pelo motorista é outro aspecto fundamental. Vias esburacadas, de terra ou pedra, aceleram significativamente o desgaste do pneu.

 

 

TREINAMENTO DOS MOTORISTAS

 

O modo de condução dos motoristas é um dos fatores a serem considerados na gestão de pneus. Para ampliar a sua vida útil é importante conscientizar os condutores sobre a necessidade de dirigir dentro do limite de velocidade permitido, evitar acelerações e frenagens bruscas.

Deve haver treinamento da equipe em boas práticas de direção para garantir a conservação dos pneus e do veículo.

REFORMA

 

Por fim, uma prática muito boa para a redução de custos com a manutenção de pneus é a realização de reformas ao invés de a compra direta de um novo material.

Neste caso, é importante que exista uma oficina e mecânico de confiança para a realização de um serviço de qualidade, garantindo o bom funcionamento do pneu. É importante avaliar também se o dano é possível de ser reparado de maneira segura.

ANÁLISE DE DADOS E CONTROLE

 

O armazenamento dessas informações para análise e controle do histórico de manutenções permite ao gestor fazer a comparação da eficiência dos pneus para diferentes veículos, motoristas, modelos e fabricantes. Desta forma, é possível saber qual o modelo e fabricante mais indicados para cada veículo, bem como acompanhar o desempenho de cada motorista, para em caso de necessidade, realizar um treinamento em bons modos de direção.

Além disso, o histórico do modo de falhas fornece informações importantes para análise e solução de problemas, bem como informações sobre o custo por quilômetro do pneu.

 

Henrique Lima é Cofundador e Diretor Financeiro da Interakt com formação acadêmica na Universidade Federal da Bahia e University of Sheffield e experiência profissional na Bosch.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Como funcionam os rastreadores veiculares?

January 19, 2018

1/2
Please reload

Posts Recentes

September 28, 2018

Please reload

Arquivo